Eu, eu mesma e Pepa Funny

Minha foto
Alguém tentando escrever o próprio roteiro, buscando fazer dos dramas uma comédia, da ficção algo real e do romance a mais linda história de amor.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

"A moda passa. O estilo permanece".



Que levante a mão aquele que gosta de um bom filme que fale sobre superação, ou de uma pessoa que mude algum fato na história, do tipo, se Lútero não tivesse entendido a bíblia ainda estaríamos pagando indulgências para que algum parente saísse do purgatório, ou se Santos Dummont não tivesse inventado o avião ainda faríamos viagens longas e exaustantes, ou se o carinha que inventou o elevador não tivesse inventado como existiriam os edifícios? Ou se Colombo não tivesse descoberto a América não teríamos músicas e filmes maravilhosos, e talvez Richard e Maurice McDonald não tivessem inventado o MC donald’s e consequentemente não haveria lanches ótimos e rápidos ao nosso alcance. Coisas realmente cheias de importância, mas no entanto, talvez uma parte das pessoas, e esta maioria será os homens, não concordarão mas “Coco antes de Channel” fala exatamente sobre um tipo de superação e de uma mudança na história da humanidade.
Primeiro, uma mulher que se supera diante dos quesitos da sociedade de sua época e impõe aquilo que realmente lhe importa, sem se preocupar com que os outros irão pensar, gosto de chamar de verdadeira personalidade, e depois temos a transformação no mundo da moda. Ok. Você deve estar pensando que ela não é nenhuma Joana Dar’C ou Anita Garibaldi, e como devo ser fútil estar postando isto, mas ela modificou o mundo da moda. Aleluia! Santa Coco. Foi mal, mas é a minha opinião.
Uma filmografia digna de filme francês. Nada cansativo devido aos quisitos romance, tragédia e superação, coisas de vida real, além da pitada de humor, isso já é digno da protagonista com sua personalidade inabalável e conseqüentemente irônica.
Devido a tantos elogios fiquei pensando se queria ser como ela, mas Audrey Hepburn vem fundo a minha mente com o glorioso “Bonequinha de luxo”, talvez inteligência e personalidade de Coco e elegância e charme de Audrey, ponto final e mistura perfeita formando a mulher ideal.
Enquanto não consigo ser nem uma e nem outra, vou ter que me contentar comigo mesmo, beleza razoável, pelo menos minha família elogia, inteligência mediana, um humor gostoso, mas às vezes negro, personalidade a declarar, estilo as vezes duvidoso, nunca salvei ninguém e nem mudei nada, mas a vida é assim, tenho muito pela frente e muito o que aprender, enquanto não consigo saber definitivamente quem sou vou observando e tentando absorver o que há de melhor em cada um para formar o meu caráter, seja em Coco, Audrey, minha mãe, minha amiga ou em você.

Um comentário:

  1. Seja simplesmente o que teu coração desejar, não copia ninguém seja única e muita paz.

    ResponderExcluir